quarta-feira, 20 de maio de 2015

O LIVRO DO PORTO



(CLIQUE NA SETA PARA OUVIR ENQUANTO LÊ)
(Dresden Concerto in G  major: Adagio - Vivaldi - por Alberto Martini)



"(...) acionando bombas
tirando lá do fundão
a lama vermelha
que vai correndo como sangue pela sarjeta 
fecundar outras terras
levar a elas o vigor da nossa civilização!"
(S.Porto, em "Civilização")


     O Raimundo encontrou no lixo uma caixa cheia de livros e a levou para sua loja de sapatos. Ali, amontoado em um canto, deixou-os entre cadeiras e armários velhos. Não se interessando por nenhum deles, e sem saber a quem doá-los, perguntou-me se eu não os queria. 

     Selecionei alguns deles e trouxe-os para a biblioteca do meu escritório. Dentre tantos escritores, professores e pensadores conhecidos estavam Guimarães Rosa, Dalmo Dallari, Sidney Sheldon e Emile Durkheim. Mas minha atenção ficou em um bem fininho, novinho, de capa simples e lisa: "Terra da Promissão - o poema das gentes e do café"*. Sebastião Porto**, seu autor, eu não conhecia.

(Capa do livro - foto: arq. pessoal)


     No livro, que traz poemas dedicados à cidade de Ribeirão Preto, encontrei logo na primeira página um manuscrito datado de outubro de 1995. Ali, com um "afetuoso abraço", revestindo de pessoalidade suas páginas e seu conteúdo, o próprio autor dedicava o livro a alguém a quem chamou "bom amigo".

(Fonte: http://tdeduc.zip.net/arch2009-03-29_2009-04-04.html)

     Enquanto caminhava em direção à rua, saindo da loja do Raimundo, ficava tentando imaginar e descobrir tudo o que havia se passado com o autor e com os antigos possuidores do livro. 

     - "Será que deixaram de ser amigos? Será que o 'bom amigo' faleceu e seus parentes e sucessores se desfizeram das coisas que foram deixadas? Por que será que não quiseram mais o livro? Como pode alguém dispensar assim um livro com uma dedicatória carinhosa, manuscrita pelo próprio autor? - eu me perguntava.

     Com o livro nas mãos fiquei parado na esquina da loja do Raimundo por um bom tempo, olhando a dedicatória, e chateado por pensar no destino que lhe havia sido dado.

     Depois, ansioso para folhear calmamente cada um daqueles livros, levei-os todos para o meu escritório. Lá chegando escolhi primeiro o do S. Porto e, em uma sentada só vi o café descobrir Ribeirão Preto; vi a Civilização arrancar do chão o sangue generoso da terra-roxa; sentei-me à sombra das figueiras da praça XV; fiquei admirando a fonte luminosa central; e - em especial - passeei pela Praça Luís de Camões - da qual tanto gosto. Eu estava certo de que tinha agora, em mãos, um belo manifesto de amor pela cidade.

(Praça Luís de Camões - foto: arq. pessoal)


     Olhei novamente a dedicatória manuscrita com tinta azul e fiquei me imaginando ao lado do autor e do "bom amigo" naquele momento em que a dedicatória fora feita. Certamente foram muitos os sorrisos e os abraços carinhosos que trocaram. Uma amizade de quanto tempo? Quais os vínculos que os ligavam? O que costumavam conversar quando se encontravam? 

     Pensei bem... e mudei de ideia. Ao invés de ficar aborrecido com os antigos possuidores do livro, eu deveria mesmo era agradecê-los.

     Em sua página final, agora, há uma dedicatória feita para mim - tanto pelo "bom amigo" quanto pelo Raimundo. Só eu a vejo. Não fossem eles eu não teria conhecido o talento literário e a sensibilidade do autor...  Que, passando a morar em uma das estantes do meu escritório, vai estar vivo e sempre pronto para comigo dialogar em minhas horas de devaneio e poesia.


*Editora Legis Summa, 1995
**Sebastião Porto - já falecido, foi jornalista em Ribeirão Preto

terça-feira, 12 de maio de 2015

ÁLBUM DE MEMÓRIAS




Em um domingo, nove da noite.
Há muito passado.
Final da primeira sessão de cinema.


("A praça em sua obscuridade" - foto postada por Ademir Segundo no facebook)


A Praça Nove de Julho,
até então adormecida,
venceu a obscuridade.


(A Praça Nove de Julho cheia de vida - postada no facebook por Amauri Lucas)



Ganhou vida.
Enfeitou-se de luzes, 
e vestiu-se de verde...


(Praça Nove de Julho - foto postada no facebook por Maricilia Silva)



...para poder abrir e registrar, 
em seu álbum de memórias,
histórias imortais,
de beijos e abraços,
que em seus bancos ficaram guardados para sempre.


(CLIQUE NA SETA PARA ASSISTIR O VÍDEO)
 
 ("Nuovo Cinema Paradiso" (final), 1988 - Dir.: Giuseppe Tornatore)

quarta-feira, 6 de maio de 2015

"AU TEMPS DE KLIMT"



("Frisa de Beethoven"* (detalhe) - Klimt - fonte: http://photos1.blogger.com/blogger/336/1943/1600/friso_Beethoven_Klimt_jlj270.jpg)


"Não há religião nem ciência acima da beleza. Eu construiria uma cidade à beira do mar, e numa ilha do porto erigiria uma estátua não à Liberdade, mas à Beleza. Pois foi ao redor da Liberdade que os homens travaram suas batalhas. Por oposição, ante a face da Beleza, todos os homens estenderam as mãos uns aos outros como irmãos".
(Gibran Khalil Gibran)


(Cartaz promocional da exposição na entrada da Pinacoteca - fonte: arq. pessoal)


     Pela cidade de Paris anunciava-se a exposição "Au temps de Klimt - La sécession à Vienne" ("No tempo de Klimt - A secessão em Viena"). Eu, Denise e Lígia localizamos no mapa o endereço onde a exposição estava sendo realizada e para lá nos dirigimos: "Pinacoteca de Paris".

("Pinacoteca de Paris" - Denise e Lígia, na calçada - fonte: arq. pessoal)

     Para a compra de ingressos tomamos nosso lugar na fila e ficamos esperando. Enquanto aguardávamos surpreendia-nos a diversidade de línguas que estavam sendo faladas por diversos grupos. Cada grupo com característica e perfil diferente do outro, sugerindo uma segmentação por nacionalidades. Creio que, se os membros de uma mesma comunidade linguística fosse conversar com os do outro, cada qual em sua própria língua, muito provavelmente não se entenderiam. Portanto, cada grupo ficou restrito à conversa e entendimento entre os seus próprios componentes.

     Atrás de nós um senhor e uma senhora trocavam palavras  em um idioma que me era totalmente desconhecido. Em um determinado momento a senhora distraidamente avançou alguns passos na fila e deixou-nos para trás. Ao perceber isso voltou-se para a Denise, disse algo em seu próprio idioma, retornou ao seu lugar e, suponho, pediu desculpas. Sorrimos todos. Porém, não entendemos as palavras que ela havia nos dito, e imagino que ela tampouco tenha entendido as palavras que dissemos a ela. Porém entendemos sua intenção, e ela certamente entendeu a nossa.

     E nesse universo de idiomas e observações chegamos ao guichê. Compramos nossos ingressos e entramos.

     Lá dentro, toda aquela babel naturalmente se desmanchou. Nas salas de exposições os grupos se desfaziam e as pessoas se misturavam. Dezenas de telas e afrescos nos levavam ao tempo e à história de vida de Klimt. Éramos todos silêncio. Assim como os demais que estavam naquelas salas, e sem que houvesse permissão para fotografias, observávamos os trabalhos expostos - em especial, uma réplica do "Friso de Beethoven"*. Eu não mais ouvia a voz humana, simplesmente a minha voz interior. Externamente, o único som era o do movimento dos presentes.

     Envolta nesse silêncio de vozes, a sala traduzia harmonia entre as nações representadas pelos pequenos grupos que haviam estado segmentados do lado de fora. Sem a necessidade de palavras, o belo promovia a integração e a compreensão. Era a arte promovendo sentimentos... Sentimentos comuns que não dependiam de língua, de local ou de tempo... sentimentos que uniam, que aproximavam, que humanizavam - e que nos colocavam na condição mais pura, verdadeira e primitiva, de "filhos de Deus".


(CLIQUE NA SETA PARA ASSISTIR UM PEQUENO FILME SOBRE A EXPOSIÇÃO)
("Au temps de Klimt - La sécession à Vienne")


*Este afresco, de 34 metros de comprimento por dois de largura, está exposto desde 1986 no palácio-museu vienês da Secessão, onde foi apresentado pela primeira vez pelo próprio Klimt (1862-1918) em 1902.  

sexta-feira, 24 de abril de 2015

APRIL IN PARIS


(CLIQUE NA SETA PARA OUVIR)
(Billie Holiday - "April in Paris", de Duke/Harburg, 1932)


("Arco do Triunfo" - arq. pessoal)


Billie Holiday... "April in Paris".



April in Paris

I never knew the charm of spring
I never met it face to face
I never knew my heart could sing
I never missed a warm embrace

Till April in Paris, chestnuts in blossom
Holiday tables under the trees
April in Paris, this is a feeling
That no one can ever reprise

I never knew the charm of spring
I never met it face to face
I never knew my heart could sing
I never missed a warm embrace

Till April in Paris
Whom can I run to
What have you done to my heart
Abril em Paris

Eu nunca conheci o charme da primavera
Nunca a vi diante dos meus olhos
Nunca soube que meu coração podia cantar
Nunca deixei de lado um abraço caloroso

Até Abril em Paris, castanhas em flor
Mesas de feriado debaixo das árvores
Abril em Paris, é um sentimento
Que ninguém nunca pode repetir

Eu nunca conheci o charme da primavera
Nunca a vi diante dos meus olhos
Nunca soube que meu coração podia cantar
Nunca deixei de lado um abraço caloroso

Até Abril em Paris
Pra quem posso correr
O que você fez ao meu coração ?

quarta-feira, 1 de abril de 2015

MINHAS TRÊS AMIGAS


(CLIQUE PARA OUVIR ENQUANTO LÊ)
 ("Cuide-se bem" - Guilherme Arantes, dele)


"Cuide-se bem (...)
prá nunca perder esse riso largo
e essa simpatia estampada no rosto"
(Guilherme Arantes)



     Sempre estiveram juntas. Minhas vizinhas, minhas amigas. Sorriam juntas um mesmo sorriso sincero, de carinho e de amizade. Eu as via pelas ruas da nossa pequena cidade. Na maioria das vezes caminhavam em sentido contrário ao meu; eu em direção à praça da estação; elas em direção à rua principal. De longe, da calçada oposta, juntas elas acenavam para mim. Sorriam. Nós nos cumprimentávamos. Pouco conversávamos. Apesar disso, pareciam nutrir uma consideração especial em relação à minha amizade, em relação aos amigos comuns, e em relação a todos os nossos vizinhos. Transmitiam solidariedade, estima, alegria...


 (Minhas amigas - foto postada no facebook por Philippe Kientzler)


     Mas a vida ditou suas regras e impôs suas exigências. 

     O tempo passou; a vizinhança tornou-se lembrança...

     Sem passar por elas juntas há tantos anos, numa madrugada recente, procurando encontrar o meu sono, em pensamento eu as revi... e senti saudades. Estavam alegres. Conversavam com os amigos, com os pais e o irmão na calçada em frente à casa onde moravam. Revi os mesmos sorrisos que tantas vezes haviam me sorrido. E desejei que estivessem bem; que além de irmãs continuassem muito amigas, distribuindo alegria para todos os que passassem por cada uma delas e as vissem sorrir. E que estivessem felizes, muito felizes, em qualquer canto desse nosso planeta tão cheio de gente, e ao mesmo tempo tão carente de simpatia e ternura...
   

terça-feira, 17 de março de 2015

ELIS, 70


(CLIQUE NA SETA PARA OUVIR)

(Elis Regina - "La nuit de mon amour", de Dolores Duran, versão em francês Pierre Barouh)


     Elis Regina, se estivesse viva, estaria completando hoje 70 anos de idade. Para lembrar a data, o jornal "Folha de São Paulo" trouxe a notícia do lançamento de "Elis Regina - Nada será como Antes" - uma biografia escrita pelo jornalista Júlio Maria (Ed. Master Books). 

("Nada será como antes" - capa do livro. Fonte: http://glamurama.uol.com.br/a-maior-cantora-do-brasil-conclui-biografo-de-elis-regina/)

     Da Elis, esta não será a primeira biografia. Em 1985, poucos anos após sua morte (1982), foi publicado "Furacão Elis" - biografia de autoria da jornalista e escritora Regina Echeverria (Ed. Leya). Li essa biografia e gostei muito.


("Furacão Elis" - capa do livro. fonte: http://www.reginaecheverria.com.br/biografias_14.html)

     E hoje de manhã vindo para o trabalho, pensando na notícia da jornal, automaticamente peguei para ouvir no carro uma coletânea da Elis. Dentre tantas coisas boas que ela gravou, sem pensar duas vezes escolhi a versão em francês cantada pela Elis que Pierre Barouh fez para "A noite do meu bem".

     Claro que poderia ter escolhido qualquer uma das muitas gravações maravilhosas que a Elis fez: "Dois prá lá, dois prá cá", "Gracias a la vida", "O bêbado e o equilibrista", "Casa no campo", "Atrás da porta", ou qualquer outra...

     Mas certamente porque, em se tratando de música tenho minhas predileções pelo cantar baixo da bossa-nova, preferi "A noite do meu bem" - e em francês.  

("Elis em Paris" - capa do "compacto" -  fonte: http://www.soboceudeparis.com/2012/01/elis-em-paris.html#.VQiWnY5jk7k)

     Ouvindo essa música e pensando na história de vida da Elis, lembrei-me também da Dolores Duran que a compôs e gravou em 1959. Pois ambas nos deixaram muito cedo: a Elis aos 36 anos de idade; e a Dolores aos 29. 

     E com essa oração, rezada mentalmente várias vezes no dia, presto minha homenagem à Elis (e à Dolores também).



LA NUIT DE MON AMOUR

Ce soir je veux trouver la rose la plus belle
Et la première étoile que m’appelle
Pour mieux fêter la muit de mon amour

Ce soir, je veux la paix dês enfants qui s’endorment
Je veux l’écho d’une vie qui se forme
Por mieux fêter la muit de mon amour.

Je veux toute la joie d’un voilier que s’élance
Et l’abandon d’une mais que s’avance
Vers la chaleur d’une étreinte d’amour.

Ce soir, jê voudrais toute la beauté du monde
Pour que cette nuit soit la plus profonde
Puisqu’elle sera la nuit de mon amour

Pourtant ces joies soudais me semblent incertaines
Je ne peux croire qu’elle se revele
Cette esperance qui me vient de toi.

Ah, comme cet amour me tarde à venir
Tant que je ne sais comment retenir
Cette tendresse que jê veux offrir.

A NOITE DO MEU BEM

Hoje eu quero a rosa mais linda que houver
E a primeira estrela que vier
Para enfeitar a noite do meu bem.

Hoje eu quero paz de criança dormindo
E o abandono de flores se abrindo
Para enfeitar a noite do meu bem.

Quero a alegria de um barco voltando
Quero a ternura de mãos se encontrando
Para enfeitar a noite do meu bem.

Ah, eu quero o amor, o amor mais profundo
E quero toda beleza do mundo
Para enfeitar a noite do meu bem.

Ah como esse bem demorou a chegar
Eu já nem sei se terei no olhar
Toda pureza que quero lhe dar.




quarta-feira, 4 de março de 2015

SOMETHING (ou "Uma noitada no 'Bar do Ademar')


http://www.alvoradaam.com.br/

     É terça-feira, oito e meia da noite, e estou em casa. Ligo o rádio portátil. Giro o dial de um lado para o outro, várias vezes, em diversas faixas de onda, mas não encontro nada aproveitável. Tudo descartável. Quanto maltrato à nossa já judiada inteligência!

     Penso em alguma coisa que me daria prazer em ouvir: uma música com letra inteligente, um programa de violão clássico, uma entrevista com algum pensador, um comentário a respeito de algum livro... alguma coisa... 

     - Ahhhh, isso mesmo: SOMETHING (alguma coisa)!
 
     Ai quem me dera poder ouvir no rádio essa música gravada pelos Beatles, uma, duas, três vezes... bem alto! E que após ouvi-la o locutor, com voz embargada de emoção, dissesse simplesmente "Que maravilha! vamos ouvi-la de novo!

     Lembro-me que, em relação à gravação original de "Something" pelos Beatles, o George e o Eric Clapton, ao vivo no Japão, fizeram a inserção de uma segunda parte no solo... 

(CLIQUE PARA OUVIR)

     Decido. O melhor a fazer é me deixar levar pelas sete cidades do Japão onde o disco foi gravado.

     Mas só as sete cidades do Japão não me bastam. Abri as portas de casa, entrei no carro, ganhei as ruas. Fui por instinto ao "Bar do Ademar", onde há duas pequenas mesas de madeira na calçada - e está sempre vazio. Estacionei bem em frente a uma delas. No balcão onde dois senhores conversavam peguei uma cerveja com um pacotinho de amendoim torrado e uma salsicha em conserva picada no prato. Sentei-me em um banquinho de uma das mesas externas, encostado na parede. Tendo o céu como limite fiquei olhando a noite, a lua, as estrelas. Liguei o aparelho de som do carro. Deixei suas portas abertas. Coloquei para tocar "Something". Bem alto. Olhei para o balcão e vi o Ademar esboçar um sorriso e erguer o polegar da mão direita. Ouvi a mesma música mais uma vez e, em seguida me aquietei e deixei o CD inteiro rolar. E continuei olhando o invisível. Só então me dei conta de que, em uma noite de terça-feira, sem qualquer perspectiva, estava fazendo um passeio por sete cidades do Japão, Londres, Paris, San Diego, Salvador, Uberlândia, São Paulo, Ribeirão, e, inevitavelmente, pelas antigas ruas de Guará... Até que, horas depois, o Ademar com uma vassoura começou a varrer a calçada. Aí então comecei a me perguntar: seria isso uma sugestão dele? um pedido? uma indireta? Não... o Ademar não poderia estar querendo fechar o Bar... a música estava tão boa! Então, para agradá-lo - ou convencê-lo a manter o bar aberto -, coloquei para tocar precisamente "While my guitar gently weeps", também com o George Harrison. Afinal, na segunda estrofe dessa música o George diz exatamente o que o Ademar poderia estar pensando e fazendo: 

"I look at the floor and I see it needs sweeping
(eu olho para o chão e vejo que ele precisa ser varrido)
while my guitar gently weeps"
(enquanto minha guitarra suavemente chora) 

(George Harrison - fonte: http://www.thegearpage.net/board/showthread.php?t=1453519


     Depois de algumas poucas cervejas, pacotes e mais pacotes de amendoim com alimentos em conserva, vi que já era tarde. Eu era o único cliente no bar. Pedi a conta, paguei e fui embora... não sem antes agradecer ao Ademar, com um abraço, pela grande noitada.