sábado, 19 de maio de 2018

O PRÉDIO DA ANTIGA ESTAÇÃO DA ESTRADA DE FERRO, EM ARAGUARI (MG)


CLIQUE NA SETA PARA OUVIR ENQUANTO LÊ;
ASSISTA DEPOIS DE TER FEITO A LEITURA
"Ponta de Areia" (Milton Nascimento) - Milton Nascimento e Nana Caymmi
https://www.youtube.com/watch?v=Bj86K1SLMDk

     Gosto dos prédios das antigas estações de trem. Eles são referências inspiradoras. Eles guardam histórias que têm sido esquecidas. Destruí-los é jogar fora os alicerces do que hoje somos....

A imagem pode conter: céu e atividades ao ar livre
Prédio da Prefeitura Municipal de Araguari, MG
("Conjunto Arquitetônico e Paisagístico da antiga Estação da Estrada de Ferro Goiás")
foto: arq. pessoal - 2010

     Outro dia fui a Araguari, cidade mineira, que, no passado, foi entroncamento de três importantes ferrovias: a Companhia Mogiana de Estradas de Ferro (CMEF), a Estrada de Ferro Goiás (EFG), e a Estrada de Ferro Oeste de Minas (EFOM). Ao ver o prédio da antiga estação da EFGoiás, no alto da cidade, lembrei-me do caso dos "Irmãos Naves"*, um dos maiores erros judiciários ocorridos no Brasil, das cenas do filme a respeito desse caso que foram rodadas em uma plataforma de estação de trem; lembrei-me também, e em especial, do Marechal Rondon: foi em Araguari que, em 1900, o então jovem oficial do Exército, Cândido Mariano da Silva Rondon, vindo de trem, do Rio de Janeiro, desembarcou, com a missão de comandar a implantação da linha telegráfica no Estado de Mato Grosso. Foi dali, portanto, de Araguari, que Rondon iniciou a marcha através de Goiás, rumo a um Brasil até então praticamente virgem, com a árdua tarefa de interligar, pelo telégrafo, a costa do País à região Centro-Oeste**.

     Sempre que vou a Araguari e passo em frente à antiga estação da EFGoiás, penso nas histórias que li a respeito do Marechal Rondon. Ao olhar aquele prédio de estação, fico com a sensação fantasiosa de que o Brasil está começando a ser reconstruído; agora, não mais pelo telégrafo, mas pelos exemplos do Rondon e pela disposição, nesse sentido, de todo o povo brasileiro - a começar pelo povo de Araguari.

     Como se não bastasse a restauração do prédio, o carinho que a cidade vem dedicando a ele é exemplar. De volta à cidade, em uma ocasião festiva, o prédio esbanjava beleza... e eu fiquei ali, naquela noite, por mais de hora, parado diante dele, simplesmente contemplando o seu contorno enfeitado de luzes...


"O prédio da antiga Estação da Estrada de Ferro Goiás"
Foto: arq. pessoal (2010)

     O prédio da estação ferroviária da antiga Estrada de Ferro Goiás, em Araguari, é uma fonte de inspiração. Restaurado, ele preserva, em sua beleza e em suas estruturas, histórias do nosso País e de nossos pioneiros - que têm sido esquecidos...

___________________________
*"O caso dos Irmãos Naves" (Brasil, 1967. Dir.: Luis Sérgio Person) - filme a respeito de um grave erro judiciário ocorrido na cidade de Araguari/MG, baseado no livro de João Alamy Filho ("O Caso dos Irmãos Naves: o erro judiciário de Araguari. São Paulo, Círculo do Livro)
**Para saber mais sobre o Rondon, ótimo livro a ser lido: "Rondon: o marechal da floresta" / por Todd A. Diacon: tradução Laura Teixeira Motta; coordenação Élio Gaspari e Lília M. Schwarcz - São Paulo: Companhia das Letras, 2006 (Coleção "Perfis Brasileiros")

terça-feira, 24 de abril de 2018

OS MEUS LIVROS


CLIQUE NA SETA PARA OUVIR ENQUANTO LÊ
Waltz in A minor - Frederic Chopin
Fonte: https://www.youtube.com/watch?v=Smqj_z04i4A&list=RDSmqj_z04i4A

Entro em minha sala de trabalho. Lado a lado estão eles. Todos dispostos a dialogar comigo, quantas vezes mais eu quiser. Pacientemente, incansavelmente, eles me esperam... Nada me cobram, nada me exigem... Anseio por abri-los, um a um, e aceitar, deles, a proposta que me fazem, para que eu vá além do vazio.



Foto: arq. pessoal

Comprometido com as tarefas do cotidiano, vou adiando... No entanto, a sensação de estar acompanhado das ideias neles contidas, e que me convidam a serem revistas e debatidas, é a mais confortante evidência de que não ando só: estou com os meus livros!


Biblioteca da Assembléia Nacional da França
Foto: arq. pessoal

sábado, 21 de abril de 2018

POBRE DO CANTOR...


CLIQUE NA SETA PARA ASSISTIR
"Pobre del cantor" (Pablo Milanés) - Ruy e Miltinho, do MPB-4 com Bebeto Castilho, no baixo
Fonte: https://www.youtube.com/watch?v=cdl6IAB-4IY&list=RDMMcdl6IAB-4IY

Pobre do cantor de mensagens vazias...
pobre do cantor cujos trabalhos nada acrescentam...
pobre do cantor que, querendo ser árvore, nunca conheceu a semente.

Pobre do cantor que se rende e se desfaz em função do mercado...
pobre do cantor cujo canto nasceu para ser esquecido...
pobre do cantor que, subindo ao palco, empobrece a plateia...

Pobre do cantor de canções descartáveis...
pobre do cantor que, antes de cantar,
não ouviu o recado do Pablo Milanés,
cantado pelo Ruy e pelo Miltinho:


assim tivesse feito, teria pensado melhor antes de macular sua própria biografia... e a música brasileira, atual, não estaria dominada por tanta coisa ruim...



Pobre Del Cantor
(Pablo Milanés)

Pobre del cantor de nuestros días
Que no arriesgue su cuerda por no arriesgar su vida.
Pobre del cantor que nunca sepa
Que fuimos la semilla y hoy somos esta vida.

Pobre del cantor que un día la historia
Lo borre sin la gloria de haber tocado espinas.
Pobre del cantor que fue marcado
Para sufrir un poco y hoy está derrotado.

Pobre del cantor que a sus informes
Les borren hasta el nombre con copias asesinas.
Pobre del cantor que no se alce
Y siga hacia adelante con más canto y más vida.

Pobre del cantor que no halle el modo
De tener bien seguro su proceder con todos.
Pobre del cantor que no se imponga
Con su canción de gloria, con embarres y lodos.
Pobre Do Cantor


Pobre do cantor de nossos dias
Que não arrisque sua corda para não arriscar sua vida
Pobre do cantor que nunca sabe
Que fomos a semente e hoje estamos nesta vida

Pobre do cantor que um dia a história
O apague sem a glória de ter tocado espinhos
Pobre do cantor que foi marcado
Para sofrer um pouco e agora está derrotado

Pobre do cantor que a seus relatos
Apagaram até o nome com cópias assassinas
Pobre do cantor que não se eleve
E siga adiante com mais canto e mais vida

Pobre do cantor que não encontra o modo
De ter bem seguro seu proceder com todos
Pobre do cantor que não se imponha
Com sua canção de glória, com lamas e barros

sábado, 14 de abril de 2018

CÁSSIA E LEANDRO


CLIQUE NA SETA PARA OUVIR ENQUANTO LÊ
Chico Buarque, dele e Dominguinhos, "Tantas Palavras" (1983)
Fonte: https://www.youtube.com/watch?v=ivTTa-6nCpI

     Cássia e Leandro estão casados há muito tempo. Há mais de trinta anos. Tiveram um casal de filhos - ambos, hoje, maiores, casados e  graduados. Cássia e Leandro residem em um condomínio fechado, em uma casa com piscina e churrasqueira, em um bairro muito bonito na cidade. Sempre trabalharam muito, lutaram para conseguir tudo o que hoje, merecidamente, têm. Sempre deram aos filhos o que de melhor havia para ajudá-los a ter uma formação sólida e humanista. Era bonito ver a família reunida, a relação amorosa, a leveza de trato de um para com o outro, os diálogos à mesa nas reuniões com amigos...

     Depois que os filhos saíram de casa e foram para a universidade, Cássia e Leandro se viram sós naquela casa enorme. Para tentarem amenizar a saudade e a ausência dos filhos, eles se empanturraram de tecnologia: instalaram um televisor em cada cômodo da casa, adquiriram lap tops, iphones, sensores de luz e de som, enfim, toda espécie de aparelho proposto na mídia pelos profissionais do marketing. Sem os filhos junto deles, ao retornarem do trabalho sentavam-se, perdidos, no sofá da sala, ligavam o televisor, e assim permaneciam, um ao lado do outro, ouvindo os telejornais e os comentários políticos, enquanto faziam joguinhos no iphone até adormecerem - muitas vezes no próprio sofá. Eu mesmo ouvi deles essa confissão, em telefonemas que fiz ao Leandro em horários além dos convencionais...

     Há alguns anos reencontrei o Leandro em um café. Conversamos muito. Ele me falou dos filhos que estavam longe, que, com eles, trocava mensagens via whatsapp, e que eles estavam muito bem em suas respectivas profissões. Relembramos histórias, falamos de amigos, conversamos bastante. Contudo, como nunca havia acontecido antes, ouvi dele a queixa de que, entre ele e Cássia, o diálogo havia desaparecido; que pouco conversavam, que já não tinham assunto interessante, que, enfim, apesar dos anos de casamento, pareciam dois estranhos dentro de casa.

     Pelo fato de Leandro e Cássia terem sido sempre bons companheiros um do outro, muito alegres, ativos, cheios de vida, de palavras e de ideias, a notícia me incomodou.

     Passado algum tempo desde aquele nosso último encontro, revi o Leandro, no ano passado, na festa de aniversário dos seus 65 anos de vida. Depois de cumprimentá-lo, conversamos, falamos dos filhos, do trabalho, da família, e ainda combinamos nos visitarmos com maior frequência. Seu convite, no entanto, veio com uma observação: "não temos mais, em casa, televisores, lap tops, forno micro ondas, máquina de café, ou quaisquer outros aparelhos que funcionem ligados na tomada - a não ser três aparelhos de ar condicionado". E continuou: "Fomos assaltados em um começo de tarde; levaram de casa todos os aparelhos eletrônicos". Contou-me, por fim, que desde o assalto, sem os aparelhos que tinham, ele e Cássia passaram a ficar juntos, à noite, na sala de estar ou na varanda da casa, lendo e comentando, um com o outro, trechos das leituras que passaram a fazer. Que, inspirados por tais leituras e comentários, reencontraram as palavras, voltaram a dialogar, retomaram um estilo de vida que havia sido abandonado por eles.


Illustration of a husband and wife talking intently while they write down notes on pads of paper.
https://www.focusonthefamily.com/marriage/communication-and-conflict/when-talking-doesnt-come-easily

     Ao pensar na história do assalto, a impressão que me vem é de que a Cássia e o Leandro foram "recuperados" por um ladrão que, levando deles tudo o que os estava distanciando, trouxe a eles, de presente, a possibilidade de uma reaproximação pelas palavras, pelo diálogo - coisa que aparelho eletrônico nenhum consegue fazer. Torço, então, para que meus amigos, Cássia e Leandro, continuem lendo juntos, conversando, dialogando, saboreando e pronunciando as palavras redescobertas... e que resistam à tentação de adquirirem aparelhos eletrônicos, além dos estritamente necessários.   

terça-feira, 13 de março de 2018

FOTOSSÍNTESE


(CLIQUE NA SETA PARA OUVIR)
(Caetano Veloso, dele, "Luz do sol")
https://www.youtube.com/watch?v=mdnK48uUNrs


     Ainda na época do ginásio, o professor de Biologia procurava todos os meios, dava exemplos, fazia desenhos e ilustrações para explicar a "fotossíntese". Dizia ele: "fotossíntese é a síntese que usa luz. É a coisa mais linda e necessária que há na vida". E completava: "as plantas respiram, e na sua respiração libertam algumas substâncias de que não necessitam. Uma delas é o oxigênio - que é um gás fundamental para a respiração de todos os seres vivos". A fotossíntese, portanto, é isso - resumia ele: "é a respiração das plantas que, com a luz solar, libera oxigênio". 


alimentação das plantas
"Fotossíntese"
fonte: https://www.gpabrasil.com.br/meio-ambiente/como-as-plantas-se-alimentam/


     Naquelas aulas eu ficava olhando os desenhos que o professor fazia, decorava as palavras de sua explicação, e só conseguia ficar pensando nas viagens que a água e os sais minerais faziam pelo caule das plantas. Por mais simples que pudesse parecer, para um ginasiano limitado em Biologia, como eu sempre fui, entender isso era um enorme sacrifício. 

     Foi só alguns anos mais tarde, ouvindo o Caetano Veloso cantar "Luz do Sol"*, que, por uma imagem poética - e não química - consegui entender e me maravilhar com a fotossíntese. E, volta e meia, por mais ignorante em química que eu possa ser, com muita frequência ainda fico pensando na respiração das plantas. Não é para menos. Na letra de "Luz do Sol", a bela descrição:

"Luz do sol
que a folha traga e traduz,
em verde novo,
em folha, em graça, em vida, em força, e em luz"

     - Há alguma explicação melhor?

____________________________________________________________
*"Luz do Sol" (Caetano Veloso) - feita para trilha sonora do filme "Índia, a filha do sol" (Dir. Fábio Barreto, 1982)

sexta-feira, 9 de fevereiro de 2018

O FERRIANI (E OS NOVOS DESAFIOS)


CLIQUE NA SETA PARA OUVIR ENQUANTO LÊ
"Manhã de Carnaval" (Luiz Bonfá/Antônio Maria) - Verônica Ferriani


     Fundada no Rio de Janeiro, em 1896, a "Academia Brasileira de Letras" (ABL) tem por fim a cultura da língua e da literatura nacional. Assim como a ABL, e com os mesmos objetivos, em 1947 foi fundada, em Ribeirão Preto, a "Academia Ribeirãopretana de Letras" (ARL).

     No início desta semana, a ARL realizou uma cerimônia para dar posse à diretoria eleita para o biênio 2018/2019. Estive lá.


Convite

     Ao receber o convite para a cerimônia, fiquei muito feliz em ver que a diretoria que seria empossada teria como presidente o Ferriani: Carlos Roberto Ferriani.

     Conheci o Ferriani, há mais de quinze anos, em uma reunião festiva do Rotary Club. De lá para cá, além dos assuntos ligados ao Rotary, sempre que nos vemos nos abraçamos e conversamos sobre família, música, literatura, e o cotidiano da vida. Volta e meia nos reunimos para tocar violão - e, mais recentemente, para também sonharmos com a montagem de uma banda: a ideia é, em reuniões de amigos, nós nos divertirmos, cantarmos, declamarmos e celebrarmos o trabalho musical e literário do Vinícius de Moraes.

 Ferriani e Flávia - foto: arq. pessoal

     Gosto de me encontrar com o Ferriani e com a Flávia, sua esposa. Sempre sorridentes, demonstram um enorme carinho por mim e pela Denise, minha esposa. Quando nos vemos, tento retribuir os gestos de amizade com a mesma intensidade que a mim, por eles, são dedicados. No entanto, nunca consigo ir além do meu jeito contido e angustiado de ser. Mas sei que eles me compreendem...

     O Ferriani, além de médico e músico, também é escritor. São de sua autoria os seguintes livros: "... Antes mesmo do sonho - tempos poéticos" (poesias, 2009), "Fragmentos de uma vida" (ficção-romance, 2010), e "Rimas.COM.CR" (poesias e fatos do cotidiano brasileiro, 2014).

"Fragmentos de uma vida" - capa do livro (Ed. do Autor, 2011)

     Pela enorme boa vontade, fé, entusiasmo e dedicação que emprega em tudo o que se propõe a fazer, estou certo de que a gestão do Ferriani na ARL vai ser um tremendo sucesso - só não sei dizer se o mesmo vai ocorrer com a banda, que sonhamos montar.

     Parabéns ao Ferriani! E, em especial, parabéns à ARL pela bela escolha de seu novo Presidente: "Sucesso!"

Carlos Roberto Ferriani - discurso de posse na ARL - foto: arq. pessoal

quinta-feira, 8 de fevereiro de 2018

QUERO A VIDA SEMPRE ASSIM...


CLIQUE NA SETA PARA OUVIR
João Gilberto - "Corcovado" (Tom Jobim)


"Quero a vida sempre assim,
com você perto de mim,
até o apagar da velha chama (...)"


Um cantinho, um violão - foto: arq. pessoal (fev/18)