sábado, 17 de junho de 2017

A PRAÇA CAMÕES


(PARA OUVIR, CLIQUE NA SETA)
"Fado Tropical" - Chico Buarque/Ruy Guerra


"Cessem do sábio grego e do troiano
As navegações grandes que fizeram;
Cale-se de Alexandro e de Trajano
A fama das vitórias que tiveram;
Que eu canto o peito ilustre lusitano,
A quem Neptuno e Marte obedeceram.
Cesse tudo o que a Musa antiga canta,
Que outro valor mais alto se alevanta."
(Camões, "Os Lusíadas" - Canto I)


     Não, não é uma praça árida e oprimida na região central de Ribeirão Preto. Em cada um de seus quatro pontos cardeais o cimento e o concreto dos prédios com ela contrastam e digladiam. Ela resiste. Ela tem como escudo suas plantas, suas árvores antigas, e seus passeios tomados por folhas secas. Na escuridão da noite, cuida de sua proteção a luz que emana dos pequenos postes - verdadeiros faróis plantados em seus canteiros. Eu a cruzo todos os dias, e me sinto um privilegiado por tê-la como vizinha.


Praça Luis de Camões - Ribeirão Preto/SP
Foto: arq. pessoal

     Não, decididamente não é apenas uma praça. Com um monumento a Camões e aos portugueses ao seu centro, ela é uma inspiração a quem quer que por ela passe.

Monumento a Camões e aos portugueses - Praça Luis de Camões, Ribeirão Preto/SP
foto: arq. pessoal



"Eu canto o peito ilustre lusitano a quem neptuno e marte obedeceram"
Monumento a Camões - detalhe
Foto: arq. pessoal

     Nesse monumento Camões, altivo e altaneiro, guia os destinos incertos traçados pelo comandante de uma caravela. Embarco nessa nau portentosa que singra mares e oceanos - assim como fizeram os portugueses nas grandes navegações. Os canteiros da praça, então, transformam-se em cardumes; e seus farois em pequenas embarcações. Vou da popa à proa vigiando suas sombras e seus caminhos.


"Vou da popa à proa vigiando suas sombras"
Foto: arq. pessoal

     Em seus bancos de madeira, jovens distraídos e senhores compenetrados são valentes guerreiros que cuidam para que ela resista às tormentas que teimam em transformar a cidade. 


"Em seus bancos de madeira..."
Foto: arq. pessoal

     O poeta tornou-se o guia que, na praça, cuida da condução de seu povo - e da minha travessia. Nessa navegação contorno o sudoeste de Portugal e o sul da Espanha. Vou além: passo pelo estreito de Gibraltar e sigo pela costa de Marrocos, na África, até atingir o Cabo Bojador no Saara Ocidental. A partir dali experimento mares nunca d'antes navegados...

     O monumento aos portugueses, homenageando Camões, domina toda a praça. Camões lutou no norte da África (onde perdeu a visão do olho direito), fez muitas viagens, naufragou na foz do rio Mekong, reapareceu em Moçambique e retornou a Portugal para morrer, em 1580, em condição de extrema pobreza. Ficou conhecido na história e na literatura como o autor do maior poema épico da língua portuguesa - "Os Lusíadas", publicado há mais de quatro séculos.

     Ao cruzar a praça que leva seu nome eu reverencio Camões e as viagens que, nessa travessia, inspirado por ele, diariamente faço.

quinta-feira, 8 de junho de 2017

FRASES DA MPB



(CLIQUE NA SETA PARA OUVIR)
("Até pensei" - Chico, dele)



"eu andava pobre tão pobre de carinho
que, de tolo,
até pensei que fosses minha"
(Chico - Até pensei)


     Se pensada, uma frase bem construída pode nos trazer muitos ensinamentos. Esses ensinamentos podem nos ajudar na tomada de decisões em momentos e situações decisivas. Particularmente, tenho um pequeno caderno no qual venho anotando, já há muitos anos, frases, poemas, trechos de livros e citações que me agradam. Muitas dessas frases e citações vêm da Música Popular Brasileira - MPB. Volta e meia recorro a ele e fico folheando e lendo tudo o que ele me ensinou - e continua ensinando.


Meu caderno - foto: arq. pessoal

     Dentre as centenas de frases riquíssimas cantadas na MPB, "a vida só se dá prá quem se deu" serviu para que eu tivesse coragem de encarar situações em que me via indeciso. Da mesma forma, "a coisa mais divina que há no mundo é viver cada segundo como nunca mais" foi determinante para me descortinar a preciosidade da vida - e me ensinar a lamentar menos.

     Quando, há muitos anos, fui vítima de um grave descontentamento, "tire o seu sorriso do caminho que eu quero passar com a minha dor" martelou minha cabeça por muito tempo. Superado o episódio, "cada ser em si carrega o dom de ser capaz de ser feliz" recolocou-me na trilha da felicidade, a qual somente eu mesmo poderia encontrar. Afinal, compreendi: "cada um de nós compõe a sua própria história" - e "sabe a dor e a delícia de ser o que é".

     Folheio meu caderno e vejo grandes tesouros da MPB: Em "Pedaço de mim", Chico Buarque falou de saudade: "Saudade é limpar o quarto do filho que já morreu": quer explicação mais clara, doída e poética do que essa? E o que dizer do brilhantismo do Belchior ao ilustrar, em "Coração Selvagem", os comportamentos instintivo e aprendido? "Não quero o que a cabeça pensa, quero o que a alma deseja."

     Relaciono aqui algumas outras anotações tiradas do meu caderno:

"Não há bebida que beba saudade" ("Não há cabeça" - Ângela Rô Rô)

"Todo boêmio é feliz porque quanto mais triste mais se ilude" ("Me dá a penúltima" - João Bosco e Aldir Banc, 1977)

"A gente agrada a Deus fazendo o que o diabo gosta" ("Fazendo o que o diabo gosta" - Raul Seixas - do disco "A pedra do gênesis", de 1988) 

"Eu andava pobre, tão pobre de carinho, que, de tolo, até pensei que fosses minha" ("Até pensei" - Chico Buarque)

"Tu pisavas nos astros distraída sem saber que a ventura desta vida é a cabrocha, o luar, e o violão" ("Chão de estrelas" - Orestes Barbosa)

     Cada frase dessa merece um barril de chope, muitas noites em claro, e toda filosofia para ser pensada e conversada.


Manuel Bandeira, Chico Buarque, Tom Jobim e Vinicius de Moraes
Déc. 1960, foto: Pedro de Moraes (Acervo Inst. Tom Jobim)
Manuel Bandeira, Chico Buarque, Tom Jobim, Vinícius de Moraes
Fonte: http://nordestebrasileiro.tumblr.com/post/67110745144


     E com tantas frases maravilhosas e poeticamente ricas, encerro perguntando ao meu raro leitor: existe alguma frase na MPB que, para você, seja preciosa? Mostre-a prá gente!

____________________________ 
- "Tire o seu sorriso do caminho, que eu quero passar com a minha dor". ("A flor e o espinho" - Guilherme de Brito/Nelson Cavaquinho/Alcides Caminha)
- "Cada um de nós compõe a sua própria história e cada ser em si carrega o dom de ser capaz de ser feliz". ("Tocando em frente" - Almir Sater/Renato Teixeira) 
- "O coisa mais divina que há no mundo é viver cada segundo como nunca mais". ("Tomara" - Toquinho/Vinícius)
- "Saudade é limpar o quarto do filho que já morreu". ("Pedaço de mim" - Chico Buarque)
- "Cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é". ("Dom de iludir" - Caetano Veloso)
- "Não quero o que a cabeça pensa, quero o que a alma deseja". ("Coração Selvagem" - Belchior)
- "A vida só se dá prá quem se deu, prá quem amou, prá quem chorou, prá quem sofreu". ("Como dizia o poeta" - Vinícius e Toquinho)

sábado, 3 de junho de 2017

LOST IN SPACE: A DESVENTURA DE MAJOR TOM


(CLIQUE NA SETA PARA OUVIR
E ASSISTIR NO FINAL DA LEITURA)
David Bowie, dele, "Space Oddity" (1969)
https://www.youtube.com/watch?v=hBrPQX6nh48


"Ao meu amigo Renatão"


     Quando era menino sonhava em ser astronauta. Gostava de ficar sozinho. Achava que meu futuro seria mesmo ir para o espaço, ficar quieto ouvindo o silêncio, olhando para as estrelas, para os planetas, e ficar pensando... Não sei bem o que pensaria, mas queria ficar só pensando...

     Com a chegada do homem à lua, em 1969, e com a gravação de "Space Oddity" pelo David Bowie no mesmo ano, comecei a expandir os pensamentos e analisar um outro lado da questão. Comecei a pensar que o negócio poderia não dar muito certo, que ficar sozinho no espaço poderia não ser tão proveitoso quanto me parecia.


gravity-poster
Foto: https://contracenario.wordpress.com/2013/07/25/festival-de-veneza-2013-conheca-os-participantes/


     Em "Space Oddity" o Major Tom (o astronauta) é lançado ao espaço, flutua no vácuo, e vê as estrelas e o planeta Terra de uma posição muito privilegiada. Em conversa com a base de controle na Terra, em um determinado momento ele se sente vazio e solitário naquela imensidão, e conta que sua aeronave sabe qual a rota a seguir. E ao se dar conta disso, ele tenta reconectar-se com seus familiares para ter pelo menos uma voz que lhe fizesse companhia. Contudo a conexão com a base de controle foi perdida e não mais poderá ser refeita. Desse momento em diante Major Tom e sua nave ficam flutuando no espaço... flutuando... flutuando.... incomunicáveis... até serem consumidos por completo... sem oxigênio, sem orientação, sem rumo: restos de vida e matéria esquecidos no espaço...

     Esse fim do Major Tom foi o começo das avaliações de minhas convicções.

     A solidão no espaço, assim como a solidão aqui mesmo no nosso planeta, desde que seja por pouco tempo e que traga consigo a certeza de retorno, pode parecer interessante. Mas é de um vazio inimaginável. O vazio sem perspectiva de preenchimento é contrário à natureza humana. Viver no espaço é desumano... As estrelas, a lua, os planetas, sem os olhos e os sentimentos do homem, tornam-se astros vazios... De nada serve a beleza do universo diante da inexistência de perspectiva dela ser compartilhada.

     Eu, menino crescido, já não quero mais ser astronauta. Desisti. Levanto cedo, faço o meu café, e fico esperando o dia amanhecer para poder contar aos que me ouvem as histórias que vivi e os sonhos que ainda tenho... 


Space Oddity

Ground control to Major Tom
Ground control to Major Tom
Take your protein pills and put your helmet on

Ground control to Major Tom
(10, 9, 8, 7)
Commencing countdown, engines on
(6, 5, 4, 3)
Check ignition, and may God's love be with you
(2, 1, lift off)

This is ground control to Major Tom
You've really made the grade
And the papers want to know whose shirts you wear
Now it's time to leave the capsule if you dare

This is Major Tom to ground control
I'm stepping through the door
And I'm floating in the most peculiar way
And the stars look very different today

For here am I sitting in a tin can
Far above the world
Planet Earth is blue, and there's nothing I can do

Though I'm past 100,000 miles
I'm feeling very still
And I think my spaceship knows which way to go
Tell my wife I love her very much, she knows

Ground control to Major Tom
Your circuit's dead, there's something wrong
Can you hear me Major Tom?
Can you hear me Major Tom?
Can you hear me Major Tom?
Can you

Here am I floating round my tin can
Far above the moon
Planet Earth is blue, and there's nothing I can do
Adversidade Espacial

Controle de solo para o Major Tom
Controle de solo para o Major Tom
Tome suas pílulas de proteínas e coloque seu capacete

Controle de solo para o Major Tom
(10, 9, 8, 7)
Iniciando contagem regressiva, motores ligados
(6, 5, 4, 3)
Checar ignição e que o amor de Deus esteja com você
(2, 1, levantar voo)

Aqui é o controle de solo para Major Tom
Você realmente conseguiu
E os jornais querem saber que camisas você usa
Agora é hora de sair da cápsula se conseguir

Aqui é Major Tom para o controle do solo
Estou passando pela porta
E flutuando de um jeito muito peculiar
E as estrelas parecem bem diferentes hoje

Pois aqui estou eu, sentado nesta lata
Bem acima do mundo
O planeta Terra é azul e não há nada que eu possa fazer

Apesar de estar além das cem mil milhas por hora
Estou me sentindo bem parado
E acho que minha nave espacial sabe para onde ir
Diga pra minha mulher que eu a amo muito, ela sabe

Controle de solo para Major Tom
Seu circuito pifou, tem algo errado
Está me ouvindo, Major Tom?
Está me ouvindo, Major Tom?
Está me ouvindo, Major Tom?
Está me

Aqui estou eu, flutuando em volta da minha lata
Bem acima da lua
O planeta Terra é azul e não há nada que eu possa fazer