quinta-feira, 5 de novembro de 2015

CONVERSANDO COM O DEGIOVANI

SAO LUIZ DO PARAITINGA - SEM RABO E SEM CHIFRE 
(Capa do livro: fonte: http://www.livrariacultura.com.br/p/sao-luiz-do-paraitinga-sem-rabo-e-sem-chifre-42144901)

     Nem só para vender combustíveis serve um posto de gasolina. Em especial, se ele está situado em uma rodovia, nele também devem ser prestados serviços relativos à conservação e reparo de automóveis: borracharia, troca de óleo, lavagem, e consertos de emergência. Um bom posto serve, além disso, para proporcionar a sombra de uma árvore, sob a qual os viajantes podem estacionar o carro e "esticar as pernas", caminhar alguns passos até um lavatório, e descansar o corpo nas cadeiras de uma cafeteria ou lanchonete - que um bom posto também deverá ter. Aí então o posto de combustíveis fica completo.

     Mas além de tudo um posto de combustíveis à beira de uma rodovia também se presta a viabilizar encontros inesperados de pessoas que se conhecem, de quem se tem boas lembranças, mas que não se veem há muito tempo.

     Pois foi em um final de semana, em um posto de combustíveis assim que, viajando para São Paulo, encontrei o Degiovani.

     Vi-o ao meu lado mexendo em caixas de chocolate. Chamei-o pelo nome, mas ele não me reconheceu. Pudera! Creio que há uns quarenta anos não nos víamos. Dei detalhes de ruas, de fatos, de pessoas, de dias inteiros pedalando bicicleta em nossa cidade. Foi aí então que reapareci em suas lembranças. Sentou-se à mesa comigo e com a minha esposa e começamos a conversar. Falou-me de fotos, de amigos comuns, de fatos antigos, e em especial de livros. 

     Contei a ele de dos dois belíssimos livros que gentilmente o Celsinho - seu irmão e também meu amigo - havia me enviado de presente há algum tempo pelo correio: "Pedra na Contraluz"*, e "Dei bandeira, hein?"** - ambos de sua autoria; que, pelo carinho e pela consideração demonstrados, tal gesto havia me deixado bastante comovido.

(Capa-"Pedra na Contraluz" - Celso Lopes - fonte: http://www.livrariascuritiba.com.br/pedras-na-contraluz-icone-lv347431/p)

     O Degiovani, por sua vez, contou-me com entusiasmo de um livro por ele escrito em coautoria com Maria Alice Ferreira do Amaral Vieira: "São Luiz do Paraitinga - sem rabo e sem chifre"***. Contou-me que visitou a cidade de S.L.do Paraitinga e encantou-se por ela; que passou a visitá-la com frequência - em especial nos carnavais - e que, tomado de amores pelas suas histórias e tradições, com a Maria Alice escreveu e publicou o livro.

     Ali naquela conversa minha viagem já tinha valido à pena. 

     Mas além de um longo percurso ainda a percorrer, eu precisava cumprir um compromisso naquele dia em São Paulo. Depois de um bom papo entre xícaras de café com pão de queixo na lanchonete do posto - e que de minutos durou mais de hora - o Degiovani foi correndo ao seu carro, trouxe o seu livro, e presenteou-me com ele. E que belo livro!! 416 páginas de fotos, histórias de carnavais, narrativas, pesquisas... enfim, simplesmente maravilhoso.

 
 (Degiovani presenteando-me com o livro - foto: arq. pessoal)

     Terminamos nossa conversa com a sensação de que ainda havia muito a ser conversado.

     Dentro do carro, na sequência da viagem, minha esposa e eu fomos pensando com fala... Com um trabalho inspirado em uma cidade que não a sua, tão bem feito pelo Degiovani - e pela Maria Alice -, eu, como guaraense apaixonado, fiquei a desejar que um dia ele também venha a colocar em livro as pessoas, as tradições, os fatos e as fotos de Guará - sua e minha terra natal. Que, com seu trabalho e capricho de escritor, presenteie-nos e faça preservar a nossa História - assim como fez com São Luiz do Paraitinga.

     Parabéns Degiovani (e Maria Alice) pelo belo livro contando do Juca Teles e de S.L.do Paraitinga. Depois disso, caso ainda não o tenham feito, os Luizenses certamente reconhecerão os seus méritos e cuidarão de adotar cidadão honorário um filho natural de Guará.         


___________________________
*Lopes, Celso. Pedra na contraluz. São Paulo: Ícone, 2010 (contos)
**Lopes, Celso. Dei bandeira, hein?". São Paulo: Elipse Produções Visuais.
***Silva, Degiovani Lopes da; Vieira, Maria Alice Ferreira do Amaral. São Luiz do Paraitinga: sem rabo e sem chifre. São Paulo: Ed. do autor, 2012

7 comentários:

  1. Caro Elias... só mesmo você - que tão bem registra fatos e lembranças do cotidiano nas suas imperdíveis crônicas - para resgatar encontros e momentos felizes. Com certeza, este foi um deles. O Degiovani me contou com alegria e extrema felicidade esse reencontro de Guaraenses. Grato pelo registro e carinho demonstrados. Abraços. Continuamos atentos ao Ipê Amarelo, sem pressa. Um forte abraço. Celso Lopes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Celso, pela consideração, carinho e atenção de sempre. Grande abraço.

      Excluir
  2. Simplesmente belíssimo. Muito bom rever amigos sem hora nem lugar marcado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Leandro. De fato, é sempre bom. Obrigado pela visita ao blog e postagem do comentário.

      Excluir
  3. Elias, sempre que publico um comentário, o meu nome sai como sendo Leandro e não Sérgio,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Sérgio... não consegui visualizar seus dados.... De qualquer forma, mais uma vez, obrigado pela visita ao blog.

      Excluir
  4. Caríssimo Elias... tudo bem?
    Foi com muita alegria e emoção que Maria Alice e eu lemos as suas belas palavras acerca do encontro casual de Guaraenses, no posto de combustíveis da Via Anhaguera. Ficamos de fato surpresos e comovidos com a sua gentileza, mas também pela sua sensibilidade para transformar esse encontro em uma habilidosa crônica do dia. Ainda bem que o tal posto não servia apenas gasolina, não é?
    O Celso já me falava há bom tempo sobre o seu interesse pelas coisas de Guará... fotografias, textos, poemas, histórias, enfim, tudo sobre a nossa terra, mas somente agora é que entendo melhor os elogios já feitos por ele a você. Acredito também que poderá haver mais facilidade agora para uma boa aproximação e troca de ideias ou materiais. Até já estou curtindo o seu blog... acho que é um bom começo!
    Elias, agradecemos muito pela sua generosidade e tratamento dedicados ao nosso livrinho “Sem rabo e sem chifre”. Quanto à realização de um trabalho sobre a nossa cidadezinha, posso dizer que não nos faltam ideias, mas sim o tempo e a disponibilidade para encarar uma empreitada dessas. Deixo registrado aqui, portanto, o desafio para você ir adiantando por aí, o que acha disso? Depois a gente ajuda, entre um encontro e outro, é claro!
    Abraços para você e sua esposa!
    P.S.- O livro ficou bem na foto. Já nós dois... mais ou menos!
    Degiovani Lopes da Silva
    degiovani1951@hotmail.com


    ResponderExcluir