sexta-feira, 7 de julho de 2017

O ANTÚRIO


(CLIQUE NA SETA PARA OUVIR ENQUANTO LÊ)
Pena Branca e Xavantinho - "Arruda com alecrim"
Do álbum "Violas e Canções" - 1993


Para uma amiga
que cuida de um antúrio


     Essa história que vou lhes contar aconteceu há muito tempo. Há quase quarenta anos. Deu-se em um lugarejo acanhado, plantado às margens do Sapucaí. Quem a ouve custa crer na sua veracidade. No entanto, a materialidade objetiva do regalo e o depoimento que me foi prestado pelos envolvidos são a prova inequívoca do ocorrido.

     Foi em uma pequena estação rodoviária, antes mesmo do dia amanhecer. Ela partia sozinha para a cidade grande levando em sua bagagem o coração do seu namorado. Seu coração ficava com o rapaz, sozinho, na plataforma de partida.

     Haviam tido uma noite de beijos, abraços e saudades antecipadas. Na escuridão de um pomar, sob o testemunho do luar, olharam para o ceu e prometeram adotar a lua como madrinha daquele amor. De tal forma que, todas as noites, ela lá e ele cá, no mesmo horário, olhariam para a lua na certeza de que, distantes, estariam pensando um no outro.

     Na tarde anterior à partida, sentindo antecipadamente o vazio que iria sentir, ele, que era dado a cuidar de plantas e acreditava em suas propriedades espirituais, colheu uma muda do antúrio que juntos haviam plantado no jardim da casa de sua avó. E assim fazendo escolheu criteriosamente um pequeno vaso com sementes de alecrim ainda não germinadas que sua avó havia plantado. E nesse vaso, com a mesma terra que ele continha, inseriu a muda do antúrio.

Anthurium 'Red Victory'
Red Anthurium - foto em https://br.pinterest.com/pin/250160954273844099/

     No momento da despedida, já na plataforma de partida, entregou a ela aquele mimo com um bilhete: "Prá você não se esquecer de mim". Em seguida pediu a ela que cuidasse do antúrio até que pudessem estar juntos todos os dias. Depois beijaram-se. O sol ainda não havia nascido quando acenaram um para o outro, ela da janela do ônibus, ele de pé na plataforma de partida. 

     Voltaram a se encontrar, lá e cá, depois daquela noite. Ainda puderam, algumas vezes, olhar a lua e regar juntos o vaso com o antúrio. Mas por circunstâncias da vida, da distância e do tempo, cada um seguiu seu destino, viveu novos amores, constituiu sua própria família. Apesar disso não deixaram de manter, veladamente, o interesse pela vida um do outro. 

     Tenho o privilégio de manter contato frequente com ela e de ter sido dele um grande amigo. Ouvi de ambos o mesmo relato. Conversando com ela há alguns poucos anos, depois das derradeiras homenagens que amigos e familiares prestaram a ele, contou-me ela que continuava cuidando do mesmo antúrio; que a planta, como que por magia, sempre acompanhava o estado da saúde debilitada que ele, em vida, tinha: resplandecia e encantava nos bons tempos; debilitava-se e deprimia-se de quando em vez.

Vaso com antúrio
Foto em https://jardim.info/anturio

     Foi então que percebi todo sentido na escolha que ele havia feito. Não por acaso o vaso com sementes de alecrim fora escolhido. Acreditando no favorecimento das atividades mentais e espirituais que o alecrim poderia proporcionar, ele queria que ela jamais o esquecesse.

     Recentemente eu a revi em casa de amigos. Dentre as muitas coisas que conversamos contou-me ela que, depois de uma longa fase ruim, o antúrio renasceu e está lindo! E que, quanto a ela - segredou-me muito particularmente -, jamais o esqueceu.


  "O antúrio" - foto colhida no facebook
  

6 comentários:

  1. Vc contou o milagre mas não contou o santo. Como sempre belas recordações.E escrita de umamaneira SUTIL, BEM DELICADA.pARABÉNS...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Rose. Estamos rodeados de gestos de amor e carinho... e de santos que estão sempre ao nosso lado...

      Excluir
  2. Esta Rose Marie sou eu , filha DA dONA hIDEMANN E IRMÃ DA cÉLIA.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. OK, Rose. Sua visita ao blog e seus comentários me alegraram muito. Obrigado.

      Excluir
  3. Elias, essa é a prova viva de que o verdadeiro amor rompe qualquer barreira. Até o tempo...

    Abraço

    ResponderExcluir