quarta-feira, 5 de junho de 2013

A MENSAGEM DOS SINOS




Os sinos falam; transmitem mensagens. Os sinos tocam para anunciar cinzas, para chorar pelos mortos em finados, para celebrar a ressurreição, para anunciar festas e funerais, para convidar os fiéis para as missas, para embalar o Natal, para trazer esperança por um Ano-Novo... Triste pensar que torres de concreto das grandes cidades verticais podem abafar seus sons; ou que, pior, instrumentos eletrônicos podem, um dia, vir a substituí-los. 

Com linguagem que segue um conjunto de regras litúrgicas e uma certa liberdade para intervenção do sineiro, o toque dos sinos em Minas Gerais foi tombado como patrimônio nacional em 2009. As igrejas de São João del Rei, Ouro Preto, Mariana, Congonhas e Tiradentes, dentre outras, foram referência.

Lembro-me da alegria triste de ouvir, em um final de tarde, o som dos sinos da igreja de São Francisco de Assis, em São João del Rei. Foi pouco tempo depois da morte do presidente da república eleito, Tancredo Neves (21/04/1985). Da janela de um hotel eu contemplava a cidade, quando ouvi aquele diálogo com Deus...

 ("O som dos sinos da igreja de São Francisco de Assis, em São João del Rei")

Lembro-me também da emoção indescritível ao ouvir os sinos da catedral de York. Eu caminhava distraído pelas ruazinhas daquela cidade inglesa medieval quando ouvi o som dos sinos, vindo do ar, preenchendo todos os espaços no seu entorno, as pessoas olhando... Apoiei-me na parede mais próxima para olhar para o céu, para ouvir a mensagem enviada dali para a eternidade... 

("Ruas da cidade medieval de York, ao som dos sinos da catedral")



 ("Eu caminhava distraído pelas ruazinhas daquela cidade inglesa medieval" - foto: arq. pessoal - set2011)

 ("A catedral de York" - foto: arq. pessoal - set2011)

Muito me sensibiliza, por motivos óbvios, a lembrança do badalar dos sinos da igreja da minha cidade natal... Outro dia seus sons, depois de muitos anos, me vieram pelos fios de telefone. De muito distante eu conversava com um amigo que lá estava. Paramos os dois, quietos, e ficamos ouvindo aquela mensagem que estava sendo enviada... 

("A lembrança do badalar dos sinos da igreja da minha cidade natal" - foto colhida no facebook - Pref. Municipal)

Quando penso naquela igreja - a "minha" igreja -, mesmo estando silentes os sinos, a mensagem que ouço é sempre a mesma: "badaladas para a Ave Maria"... talvez por ter ouvido por ali, algum dia, um trecho da música "Ave-Maria", de Erotides de Campos (1896/1945) que dizia:

"(...) Nesta hora de lenta agonia
quando o sino saudoso murmura
badaladas da Ave Maria.

Sino que tange
com mágoa dorida
recordando os sonhos da aurora da vida
Dai-me ao coração paz e harmonia
Da prece da Ave-Maria"


Mas nem sempre os sinos puderam dialogar com Deus. Algumas vezes eles foram calados - como foram calados por um tempo em Assunção, no Paraguai, quando foram arrancados de seus campanários. Mas isso é assunto para uma outra conversa...

 


Nenhum comentário:

Postar um comentário