quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

BRIDGE OVER TROUBLED WATER*



(CLIQUE NA SETA PARA OUVIR ENQUANTO LÊ)
("Bridge over troubled water", composta por Paul Simon, do disco de 1970 com o mesmo nome, gravado por Paul Simon e Arthur Garfunkel (Simon and Garfunkel).



     Alguns momentos, de tão especiais que são, servem para nos mostrar que estamos muito além de nós mesmos; que nossos gestos, nossos atos, nossas palavras, permanecem no coração de quem nos observa - em especial quando estamos na condição de orientadores. Digo isso porque, ao ouvir uma música hoje, revivi algumas de minhas histórias.

     Ainda adolescente fui aos Estados Unidos na condição de estudante. E como tal, frequentei colégio. Dentre as disciplinas obrigatórias que cursava, Biologia era uma delas. Acontece que com Biologia eu não tinha nenhuma afinidade. E, para agravar, meu inglês era muito limitado. Assim, a dificuldade para acompanhar o curso era imensa.

     Durante as aulas, Mr. Mitrovich, o professor, costumava colocar música bem baixinho. E “Bridge over troubled water” era frequente. Então eu, “olhando” a aula, passava todo o seu tempo atento à música. E por intermédio dela fazia muitas viagens.

     “Bridge over troubled water” foi feita para uma jovem que estava começando a viver sua liberdade, e que estava se dando conta das dificuldades que naturalmente começavam a lhe aparecer. E o autor, na música, tenta estimulá-la a ter força e determinação para vencer obstáculos e seguir seu próprio caminho.

("Charing Cross Bridge" - Monet, 1900. Fonte: http://www.wikiart.org/en/claude-monet/charing-cross-bridge-overcast-weather)

     Na letra da música os problemas foram representados por um rio de águas turbulentas que precisava ser atravessado. E para que os problemas não impedissem a jovem de fazer suas conquistas, o autor lhe dizia que estaria ao seu lado para prestar qualquer auxílio.

     “Bridge over troubled water” é uma canção com três estrofes e que fala de solidariedade. Depois de mencionar situações que sugerem dificuldades, as duas primeiras estrofes terminam com “like a bridge over troubled water I will lay me down” (como uma ponte sobre águas turbulentas eu me estenderei). Com isso, o autor pinta uma imagem de alguém que servirá de apoio nas dificuldades. Na terceira estrofe, depois de incentivar a jovem a enfrentar a vida, o autor encerra dizendo que, como uma ponte sobre águas turbulentas, ele estará ali para tranquilizar a mente dela (“like a bridge over troubled water I will ease your mind”).

     Terminado o meu período de estudos nos Estados Unidos, e muitos anos mais tarde, fui contratado professor de inglês em um colégio. Em uma das aulas levei a letra de “Bridge over troubled water” para que meus alunos a traduzissem e fizessem a interpretação de sua mensagem. No final da aula coloquei a gravação da música em um aparelho de som, e sugeri que cantássemos juntos. Para minha surpresa, no início da segunda estrofe, uma das alunas levantou-se e cantou... e encantou. Todos nós – os demais alunos e eu – boquiabertos, nos calamos e ficamos ouvindo sua voz preencher todos os espaços daquela sala de aula. Foi um momento lindíssimo do qual jamais me esqueci.

     Muitos anos se passaram. Tive notícias dos destinos de vários alunos, mas nunca mais soube da minha aluna-cantora.

     Outro dia, em um bar com música ao vivo onde estávamos eu e a minha mulher, o violonista chamou ao pequeno palco sua esposa e a apresentou como arquiteta - e cantora nas horas vagas. Percebi que aquele rosto não me era estranho - e consegui identificar nele aquela aluna, naquela aula, naquele colégio.

     Pois ela pegou o microfone com segurança, sorriu com o coração, e cantou "Bridge Over Troubled Water". Ao final, não resisti de emoção. Certo de que não seria reconhecido, fui me apresentar a ela e cumprimentá-la. Mas antes mesmo que eu pudesse dizer qualquer coisa ela desceu do palco, chamou-me pelo nome, me abraçou, e agradeceu-me por estar ali... e especialmente por aquele momento, naquela aula, naquele colégio, há tantos anos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário