quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

CAT STEVENS E YUSUF ISLAM


(CLIQUE NA SETA PARA OUVIR E CONHECER A LETRA EM PORTUGUÊS)
("Morning has broken" - Cat Stevens)


“Sou o mesmo Cat Stevens. Só estou mais evoluído espiritualmente”
(Cat Stevens, em entrevista à revista “Veja”)


É feriado na cidade. Não saí de casa. Fiquei na sala lendo, escrevendo e ouvindo as gravações do Cat Stevens. No meio da tarde fui à cozinha fazer um café artesanal bem forte e doce. Enquanto mexia o café ainda na panela, pensava no Cat Stevens e na sua curiosa história de vida.

O Cat Stevens é inglês; fez muito sucesso no Brasil e no mundo no final dos anos 60 e nos anos 70. Já famoso contraiu tuberculose e submeteu-se a um longo tratamento; quase incógnito, morou no Rio de Janeiro por três anos; compôs uma música instrumental em homenagem ao Milton Nascimento*. Converteu-se ao islamismo e, por alguns anos, deixou a vida artística. Voltou a gravar com outro nome artístico. Em 2004, com o mundo ainda assustado com os atentados de onze de setembro, foi impedido de ingressar nos EUA. Atualmente vive em Londres e passa muitas temporadas em Dubai - nos Emirados Árabes. 

Em uma entrevista publicada na revista Veja** ele contou que, ainda nos anos 70 quase morreu afogado em uma praia dos Estados Unidos; que no momento daquela quase tragédia ele pediu a Deus que não o deixasse morrer; que passaria o restante de sua vida a servi-lo se conseguisse se livrar daquele afogamento. Depois disso converteu-se ao islamismo em 1977, e logo em seguida adotou o nome de Yusuf Islam.

(Yusuf - Fonte: http://www.express.co.uk/celebrity-news/515263/Scalpers-prompt-Yusuf-Islam-to-cancel-New-York-show) 

Em 2013 veio ao Brasil para fazer dois shows em São Paulo e um no Rio. A mídia aplaudiu os shows e celebrou o artista com carinho. Lembro-me que, na época, fiquei muito contente ao ler as reportagens publicadas nos jornais e revistas em torno das suas apresentações e de sua passagem por São Paulo.

A conversão ao islamismo e o sumiço do mundo artístico por um tempo me fez pensar que o artista havia deixado de ser quem era. No entanto, quando reapareceu, encontrei o mesmo Cat Stevens que sempre gostei. Na referida entrevista publicada na revista "Veja" ele falou de si mesmo:

- “Sou o mesmo Cat Stevens. Só estou mais evoluído espiritualmente”.

E ao falar assim a respeito de si mesmo ele fala de todos nós: somos os mesmos que sempre fomos. Contudo, com o passar do tempo, vamos nos transformando espiritualmente; vamos adquirindo a capacidade de ampliar a compreensão que temos das pessoas que nos cercam, sem a necessidade de julgá-las, e de observar com gratidão os encantos que a natureza nos proporciona. E o exercício dessa capacidade, sem dúvida, é o que podemos chamar de evolução.    

_________________________ 
*"Nascimento" - do disco "Back to Earth", de 1978
** Revista VEJA, edição 2340, 25 de setembro de 2013

4 comentários:

  1. Muito legal! Adoro Cat Stevens. Tenho vários LPs dele. Parte da história já conhecia, mas alguns detalhes não sabia. Continue escrevendo amigo, pois são textos agradáveis e lindos. Grande abraço.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado, João. Grande abraço.

    ResponderExcluir
  3. Gostava muito do Cat Stevens. Quando ele se tornou muçulmano radical, deixei de tocar seus discos em casa. Era meu protesto particular improdutivo. Ele, inclusive, foi acusado de apoiar o assassinato de Salman Rushdie, decretado por Khomeini mas nunca executado. Há pouco vi-o despido daquela capa religiosa retrógrada, voltando à música. Fiquei de bem com ele, que é um artista excepcional, na verdade. Ele mudou. Não é mais o radical de antes. Mas não perdeu a arte, que ficou adormecida por orientação de um clérigo ulltraconservador, que achava que os instrumentos musicais do ocidente são pecaminosos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso mesmo, Saint-Clair... assim como você, também por um tempo deixei de lado o Cat Stevens em função de seu radicalismo religioso. Mas com o seu retorno à música, com a gravação de coisas lindas como "Green fields" e "Heaven - where true love goes", com sua vinda ao Brasil em 2013, e especialmente por ele ter deixado de lado o fanatismo, também fiz as pazes com ele. Obrigado pelos comentários postados - que em muito enriquecem as postagens. Grande abraço!

      Excluir