sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

MARIZA: EM PORTUGAL, PELO FADO


CLIQUE NA SETA PARA OUVIR E, DEPOIS ASSISTIR
Mariza em "Gente da Minha Terra", no  "Concerto em Lisboa" - 2006
(os arranjos desse show são do brasileiro Jacques Morelembaum)


     Essa é a MARIZA. Nasceu em Moçambique e, ainda criança, foi morar em Portugal. MARIZA é fadista. Conheci-a há poucos anos em um vídeo do youtube. Depois de ouvi-la cantar “Gente da Minha Terra” passei a querer compreender melhor o fado, a ouvir muitos dos seus cantores e cantoras. A meu ver, nenhum transmite tamanho conteúdo emocional quanto Mariza... nem mesmo Amália Rodrigues ou Francisco José. Em um pequeno paralelo a Mariza está para o fado assim como o Piazzolla e o Goyaneche estão para o tango, a Billie Holiday para o jazz, e a Elizeth Cardoso para a música brasileira.

     Além de muito bonita, Mariza canta, encanta, e inspira. Me inspirou a gostar de fado, me inspirou a conhecer melhor Portugal.

     O Brasil sempre procurou encontrar maiores afinidades com as nações da América latina. Isso, creio eu, pela proximidade geográfica. Contudo, em função das diferentes colonizações (espanhola e portuguesa), as diferenças culturais são enormes. Ouvindo um pouco de fado, não é difícil constatarmos: a alma brasileira identifica-se muito mais com a alma do povo português do que com a dos povos da América do Sul. Estamos muito mais próximos de Portugal do que dos nossos vizinhos sul americanos.

     Há, em especial, a afinidade sentimental contida na palavra “saudade”. Em relação a ela, Vinícius de Moraes (com Homem Cristo, português), em 1968, assim expressou a saudade que sentia do Brasil:

O sal das minhas lágrimas de amor criou o mar
Que existe entre nós dois para nos unir e separar
Pudesse eu te dizer a dor que dói dentro de mim
Que mói meu coração nesta paixão que não tem fim

Ausência tão cruel, saudade tão fatal,
Saudades do Brasil em Portugal.

Meu bem, sempre que ouvires um lamento
Crescer desolador na voz do vento
Sou eu em solidão pensando em ti
Chorando todo o tempo que perdi

     Nesse fado Vinícius observa que o mar que separa é o mesmo mar que une... separe e une, Brasil e Portugal... lágrima, distância, união... é isso que traduz "saudade".

Nenhum comentário:

Postar um comentário